Ocidente e oriente, passado e futuro

"Não é nada fácil se acostumar às diferenças culturais da Coréia do Sul. É tudo muito diferente daquilo a que nós, brasileiros, estamos acostumados. No Brasil, por conta da imigração japonesa, o referencial que temos de Oriente é o japonês. E a Coréia é completamente diferente do Japão. É como comparar o Brasil com a Argentina, com população, cultura e costumes completamente diferentes."
Este é um trecho de uma reportagem assinada por Jocelyn Auricchio para a Agência Estado. Uma boa síntese, que me fez pensar na Argentina e no Japão. E em diferenças culturais. Conhecer Buenos Aires, a capital argentina, é mergulhar num lugar que parece viver do passado. Sim, a cidade é bela, um pedaço da Europa na América do Sul. E é justamente isto que se torna sua qualidade e seu defeito (talvez esta seja uma palavra forte...). É inevitável sentir um certo clima de melancolia, uma tristeza no ar de quem já não é mais o que um dia foi... É um tango.
Tóquio, a capital japonesa, é o oposto. Vê-se a tradição em muitos cantos, mas predomina o ar de modernidade. Ao contrário de Buenos Aires, o clima é "hi-tech", de quem já é o que os outros talvez um dia serão.

Mi Buenos Aires querido,
cuando yo te vuelva a ver,
no habra más penas ni olvido
(Letra: Alfredo Le Pera; música: Carlos Gardel, 1934)

*** Se você quiser ler toda a reportagem mencionada, acesse os comentários logo abaixo.

4 comentários:

Anônimo disse...

A dura tarefa de sobreviver ao choque cultural

Jocelyn Auricchio
Seul (AE)

Não é nada fácil se acostumar às diferenças culturais da Coréia do Sul. É tudo muito diferente daquilo a que nós, brasileiros, estamos acostumados. No Brasil, por conta da imigração japonesa, o referencial que temos de Oriente é o japonês. E a Coréia é completamente diferente do Japão. É como comparar o Brasil com a Argentina, com população, cultura e costumes completamente diferentes.
O maior desafio foi encarar a Coréia com a cara e a coragem. O objetivo foi imergir totalmente no país por pouco menos de uma semana, sem conhecer a língua e contando apenas com os suportes cultural e logístico oferecidos pela web.
Como a tecnologia é uma espécie de língua universal e Seul é banhada de elementos hi-tech, imaginei que não encontraria nenhum problema. Ledo engano. Meu smartphone GSM se mostrou completamente inútil e, envergonhado, passei a vê-lo como uma prova do "atraso" tecnológico do Ocidente.
Curiosamente, a capacidade Wi-Fi de meu aparelho, que permite que ele se conecte à rede sem a necessidade de fios, não serviu para nada, já que por lá o negócio é o velho e bom cabo de rede.
A diferença é que todos os cafés disponibilizam velocíssimos pontos físicos de rede. Tanto a conexão à internet quanto o acesso a tomadas de energia são completamente gratuitos, como cortesia do local. Impressionante.
Com um notebook na mochila, realmente dá para ficar conectado em qualquer lugar e a velocidade da internet é incrível. No hotel, a web gratuita permitiu que eu baixasse 1 GB (gigabyte) em menos de 20 minutos. Totalmente brutal.
Por todo lugar, as pessoas estão com um celular na mão. No metrô, o meio de transporte mais barato e eficiente de Seul, é comum ver mãos velozes teclando todo o tempo. Todos usam fones de ouvido e no celular rolam músicas, vídeos e até TV digital. É raro ver gente falando ao celular dentro dos vagões. Por respeito, elas preferem teclar para não atrapalhar os demais.
Essa preocupação com o bem-estar do outro está presente em todo lugar. Os funcionários do metrô são extremamente educados e informam polidamente a quem pedir ajuda.
Não saber hangul, a língua da Coréia, foi um problema. Metade das pessoas com quem falava não sabia ou queria falar inglês. Mas todos os jovens, invariavelmente, falavam bastante bem o inglês. Foram essas as impressões que trouxe de lá. Uma coisa é certa: a Coréia está pronta para liderar o futuro.

Cris disse...

Vc q pediu! Vc não vai tirar esse "travel & fun" do título??!! Tá muito piegas... hahahaha

Rodrigo Piscitelli disse...

Gostei do "travel & fun". Aliás, nada melhor do travel & fun!!!

Anônimo disse...

Ryan, amei o blog! A sua cara...limpo, mas super criativo e com coisas interessantes pra contar. Sinceramente eu tava com saudades de ler um texto seu. Nunca neguei que sou sua fã vai...rs...Um dia vou escrever como vc...hahaha...Ultimamente tá me batendo saudades, não do JL, mas da companhia de algumas pessoas especiais que passaram por ali e que vou levar comigo pra sempre...e vc é uma delas! Beijo grande amigo!