Uma "gran vía" centenária (ou a via das putas)

Uma das principais artérias de Madrid completou 100 anos em 2010. A Gran Vía ficou no meu imaginário turístico como a “via das putas”. Assim mesmo, na forma consagrada por Gabriel García Márquez, minha forma preferida desde que li, no original em espanhol, “Memoria de mis putas tristes”, um dos clássicos do escritor colombiano, lançado em 2004.
Não foi o livro, porém, que imortalizou aquela grande avenida. Os escritos de García Márquez, aliás, não chegam nem perto de Madrid. A referência às putas tem mais a ver com a minha primeira impressão do que propriamente com qualquer resquício literário ou histórico.
Cheguei à Gran Via pela primeira vez após subir uma rua larga, espécie de calçadão, que havia sido recomendada por uma conhecida. A dica era: “vá até aquela rua cheia de sex shops por todo lado”. Confesso que não fui parar lá atraído pelo mercado do sexo; sequer sabia onde estava até constatar que, à direita e à esquerda, predominavam vitrinas ousadas, eróticas, convidativas. “É aqui a rua que ela me falou!”, pensei de imediato.
Ao chegar à esquina no cruzamento com a grande avenida madrilenha, a placa sobre a escadaria da estação do metrô – com aquele tradicional losango com borda vermelha e um quadrado azul que indica o eficiente sistema de transporte subterrâneo da capital espanhola - ajudou a me localizar: “Gran Vía”.


Foi uma passagem rápida, tempo suficiente para cruzar aquela rua de acesso apressadamente, sem muita atenção (até demorei para notar os tantos sex shops). Já na grande avenida, cuja construção foi iniciada em 4 de abril de 1910 pelo rei Alfonso 13, nada chamou minha atenção e a deixei rapidamente. Não houve, digamos, atração e menos ainda correspondência. O que, convenhamos, é quase uma blasfêmia considerando se tratar de uma das principais vias madrilenhas, famosa em todo o mundo.
E que charme fica a descrição de sua história em espanhol: “La Gran Vía ha sido y es el escenario de los estrenos de cine, de las fiestas elegantes, de la gente chic y la cara más cosmopolita de la ciudad, por donde se han paseado las estrellas de Hollywood y los toreros: Ava Gardner, Manolete y Orson Welles. El escritor americano Ernest Hemingway dijo que era una mezcla ente Broadway y la Quinta Avenida. Otros han preferido compararla a los bulevares de Haussmann en París. Pero la Gran Vía es única e inconfundible, y su historia narra el encuentro de la sociedad española con la vida moderna: los primeros almacenes comerciales, el primer edificio con aire acondicionado, la primera línea de metro, las primeras cafeterías americanas o los primeros establecimientos de comida rápida”.
Dita assim, como consta no site oficial que comemora o seu centenário, a Gran Vía soa imprescindível e inesquecível. No site, aliás, é possível saber um pouco da história dessa grande avenida, ver a evolução com o passar das décadas de sua arquitetura rebuscada em diversos estilos, conhecer os locais para compras e lazer, fazer um passeio virtual. Lá estão, física e virtualmente, o Palacio de la Prensa, o Casino Militar, as Oficinas de Vicente Patuel, o Edificio Metrópolis, o Hotel Atlântico, entre outros prédios de inestimável valor histórico, artístico e arquitetônico.
E lá estão também as putas. Assim foi numa segunda passada pela mesma rua de acesso à Gran Vía. Acompanhado de um casal de amigos, notei olhares estranhos em nossa direção. Minha amiga seguia dois passos à frente. E surgiram alguns tímidos sinais, nem tão discretos a ponto de não os vermos, nem tão abusados a ponto de alguém mais notar. O fato é que havia belas mulheres espalhadas (eram tantas...) pela rua, em frente a lojas e bares, bem vestidas, provocativas. Logo concluí – o que foi confirmado pelo meu amigo com uma breve mexida na cabeça: sim, eram putas. À luz do dia.
“La Gran Vía es el lugar donde tradición y vanguardia se entrelazan, reflejo de una gran ciudad que sigue sorprendiendo a todos aquellos que la visitan.Convertida en el pulmón por donde respira el centro de la capital, la Gran Vía sigue teniendo el aire cosmopolita que la hizo célebre desde su nacimiento. Espejo de la capital, en ella se percibe el rápido pulso de un Madrid intercultural y en constante crecimiento (...)”.
Ainda fui uma vez mais à Gran Vía, numa outra visita a Madrid. Desta vez, os olhares foram mais atentos, mas as putas de outrora já não estavam lá. Ao menos não tão à vista. Melhor assim. Pude olhar com mais atenção para a arquitetura e sentir mais calmamente a pulsação daquela grande avenida, construída para ligar os bairros de Salamanca e Chamberí.
Uma “gran vía” que, se está longe de ter o valor econômico e o glamour da Champs Élysées de Paris ou da Quinta Avenida de Nova York, assistiu a todas as grandes transformações pelas quais a sociedade espanhola passou nos últimos cem anos. E isto não é pouco para uma avenida.



* As três fotos estilizadas acima foram retiradas do site oficial do centenário da Gran Vía; a outra (em que eu não apareço) é do UOL (autoria de Gustavo Cuevas/EFE)

Nenhum comentário: