Lembranças do Rio de Janeiro

A primeira vez que fui para o Rio de Janeiro eu pouco sabia o que era viajar. Tinha quatro anos de idade e ainda tomava mamadeira (sim, eu faço esta confissão...). A mamadeira, aliás, é uma das poucas lembranças daquela primeira vez na Cidade Maravilhosa. Nossa ida de Limeira, a 150 quilômetros de São Paulo, até a capital fluminense foi num Corcel II verde-claro. Ficamos hospedados na praia do Flamengo, o que não é das melhores escolhas – hoje sei.
Foram dias nublados, cinzentos, que pouco combinam com o clima carioca. Do pouco que pudemos aproveitar da praia, guardo uma foto em que estamos – meu irmão, quatro anos mais velho, e eu enterrados na areia. Lembro bem da praia de barranco, que nos assustou (estávamos acostumados às praias planas do litoral santista).
A maior lembrança daqueles dias, porém, foi mesmo a mamadeira. Sistemático (é do que minha mãe me acusa até hoje, mas esta é outra história) desde pequeno, eu só saía da cama após tomar meu “mamá” – um vitaminado na temperatura certa, “quente não tão quente”, como costumava pedir (não, eu não sabia que a isto se dava o nome de morno...).
E qual, afinal, o problema com a mamadeira? Minha mãe não tinha levado os apetrechos e frutas para fazer diariamente o tal vitaminado e meu pai desceu até algum boteco pedir que preparassem um. Logo veio ele, animado por ter conseguido o “mamá”. Até que fui tomar o dito cujo e simplesmente não conseguia beber. Motivo: meu pai não havia especificado quais frutas podiam ser batidas e colocaram abacate. E eu o-d-e-i-o abacate!
O “mamá” frustrado virou história de família, guardada no baú da memória. Lembro de ver a mamadeira no criado do quarto do hotel, estragando durante o passar das horas. Não lembro como meus pais contornaram a celeuma que eu devo ter criado, mas o fato é que outra mamadeira não veio e eu segui minha vida.
Dos pontos turísticos, nenhuma lembrança. Ou vagas lembranças, imagens insuficientes para constituir algo descritível.
Voltei ao Rio em setembro de 1986, já com nove anos, numa excursão do bairro. Desta vez só com minha mãe. A hospedagem melhorou: praia de Copacabana, um hotel da rede Othon. Foi, de fato, minha estreia na Cidade Maravilhosa. Com direito a suposto lanche com carne de gato no alto do Cristo Redentor e passeio – cafona – ao aeroporto do Galeão, com direito a “jantar”. Emocionante mesmo foi a visita ao Maracanã.
Três anos depois, em outubro de 1989, nova visita, dessa vez relâmpago. Quase um bate-volta, com direito a banho improvisado no chuveiro de banhistas de um edifício na orla da Barra da Tijuca. Tinha 12 anos e fui com meu pai assistir a um jogo da Internacional contra o Botafogo no Maracanã pelo Campeonato Brasileiro (bons tempos aqueles em que minha Inter enfrentava os grandes do futebol, mas esta também é outra história...).
Foi nessa visita que vi na praia a atriz Fernanda Torres e o ator Pedro Cardoso. Eles gravavam, num dia nublado, cenas de um especial para a TV Globo chamado “Todas as mulheres do mundo”. Fã de televisão desde pequeno e tiéte da atriz, que havia protagonizado a primeira novela a que assisti na vida, a segunda versão de “Selva de Pedra”, lembro de ter corrido até uma barraca em busca de papel e caneta. Lá fui pedir um autógrafo para ela (sim, ignorei o ator porque não o conhecia na época...). Guardo até hoje aquele pequeno pedaço de folha de caderno com a assinatura da “Fernandinha”. Bem como guardo na memória a experiência de ter assistido a uma partida de futebol no “Maraca” (o Botafogo venceu por 1 a 0, mas isto é irrelevante).
Em 1998, passei pelo Rio mais uma vez de forma relâmpago quando visitei os estúdios da TV Globo no Jardim Botânico.
A partir de então, passei a sentir um certo repúdio pela cidade. Provavelmente em razão do noticiário que mostrava um lugar cada vez mais violento, com balas perdidas, arrastões, etc. O fato é que o Rio de Janeiro se tornou, para mim, um destino indesejado. Comecei a invocar com o jeito carioca de ser - sabe aquela malandragem deliciosa e inigualável? Enfim, assumi o que há de mais preconceituoso entre os paulistas na eterna disputa com os cariocas. Pura – e repugnante – ignorância, admito.
Até que em 2012, quase 15 anos depois da última visita, o destino me levou de volta ao Rio em duas ocasiões. Fui simplesmente arrebatado pela beleza e pelos encantos da cidade – não há definição melhor definitivamente! Mais amadurecido, enxerguei a Cidade Maravilhosa com outros olhos, agora despidos de preconceitos. Eu a recebi de alma e peito abertos. E este “novo” Rio de Janeiro que descobri pode ser resumido nas palavras da escritora Martha Medeiros em seu livro “Um lugar na janela”:
“Gosto de São Conrado e de ver as asas-deltas aterrissando na areia. Adoro passear de carro pela avenida Niemeyer. Achei a paisagem do aterro do Flamengo um assombro – aquele Pão de Açúcar saltando do mar é arrebatador. O Jardim Botânico é um dos mais belos do mundo. (...) A chegada na Lagoa, depois de se atravessar o túnel Rebouças, é o maior cartão de boas-vindas que uma cidade pode oferecer aos forasteiros. Mas o bairro de Ipanema, para mim, é a verdadeira cara do Rio (...).” (p. 112-3)
Às vezes é preciso percorrer o mundo para finalmente descobrir que o paraíso está tão perto de nós. Com seus defeitos e suas qualidades únicas. Sim, o Rio de Janeiro continua lindo. Cada vez mais lindo!

Nenhum comentário: