Um hotel de gelo

O telefone na recepção nunca toca.

Os móveis e pilares chegam a brilhar e ganham cores com luzes especiais.


O hotel de gelo, ou "Hôtel de Glace" em francês, língua nativa na província de Québec, fica a dez minutos do centro da cidade de Quebéc, no Canadá. Funciona há catorze anos, sempre no outono-inverno. Daqui um mês, ele vai ser destruído. Como é feito só de neve e gelo, não sobra nada. Em novembro, será remontado para uma nova temporada. (A atual começou em 5 de janeiro e vai até 23 de março.)

A decoração é temática e muda todo ano. O tema deste ano é mitos e lendas do mundo antigo. Ao todo são 44 quartos. 
Animais alados, deuses e símbolos de várias culturas. As esculturas e relevos são como obras de arte. Cada quarto tem uma decoração exclusiva. Tem até reprodução dos famosos moais da ilha de páscoa. A cama também é de gelo. Eu testei – é confortável...








Passar a noite aqui custa a partir de 448 dólares, cerca de R$ 1,1 mil (na cotação de 18/2/14). Com lareira no quarto sai um pouco mais caro. A turista peruana Rose Galbes foi só passear. E ficou encantada. “Me parece fantástico!”, diz. Ela cita que no Peru não tem frio e gelo assim. Mas quando eu pergunto se ela passaria uma noite lá... “No, no! Hace mucho frio!”.

O hotel de gelo é uma das atrações turísticas da cidade de Quebéc. Também sedia festas, inclusive de casamento. Tem até uma capela. De gelo, claro.

Os universitários brasileiros gostaram. “É muito legal, diferente de tudo o que a gente já viu”, afirmou Gabriele dos Santos Lucchese, estudante de Psicologia. “Os quartos são lindos...”, diz o colega Cecil Ramos, estudante de Medicina. “Dá para passar uma noite aqui?”, pergunto. “Por uma noite eu encararia”, ele fala.

O passeio termina no bar. Os turistas se divertem com a música. Tem até quem arrisque uns passos. Mas o lugar preferido é o balcão do barman. Eu, claro, não pude deixar de conferir como é tomar um drinque num copo de gelo... "Saúde!"
 



 




Esta visita foi, sem dúvida, daquelas experiências inesquecíveis. E difíceis de descrever. Algo único, efetivamente inusitado e original. Ah, e divertida!
Em tempo: a temperatura externa girava entre 15 e 20 graus negativos. Dentro do hotel, a sensação térmica é exatamente a mesma - ou seja, é frio. Só não tem vento, o que ameniza um pouco a situação.
Texto adaptado a partir do original feito para reportagem do “Jornal da Cultura”, da TV Cultura. A matéria, exibida em 19 e 20/2/14 (edição da noite e Primeira Edição), pode ser vista abaixo:

Um comentário:

Danilo Fernandes disse...

Caramba brother, que lugar animal... o bebida que você tomou?
Só assim pra dar um esquentada em...