Lima: história milenar e belos jardins

Um país quase sete vezes menor do que o Brasil e com uma história rica. O Peru ganhou destaque nos últimos anos na América do Sul pelas taxas de crescimento de sua economia, mas é atrás dos mistérios do seu território que fui até lá. A jornada começou na capital Lima, que preserva estruturas milenares.
Ao andar pela cidade, os jardins chamam a atenção. Belos e bem cuidados, nos bairros e no centro. Na Praça das Armas, onde estão o palácio presidencial e a catedral, as flores coloridas encantam os olhos. Ao lado de construções históricas e da arquitetura colonial, as cores contrastam com o céu cinzento, uma marca local. 










Mesmo à beira do Pacífico, o sol é raro em boa parte do ano, dizem os moradores. Mas quando ele resolve aparecer, é um espetáculo...




Em certos aspectos, como o céu cinza, Lima se parece com São Paulo. "O trânsito é complicado, acho que é pior que o Brasil, agora em relação à limpeza, segurança, estão de parabéns, a cidade é bem tranquila, dá para caminhar...", diz o professor Augusto Machado. "O pessoal é hospitaleiro, receptivo, o trânsito é um pouco desorganizado. A gente se assustou um pouco nesta parte, mas no restante o país é maravilhoso", cita o vendedor técnico Adilson Farias.
Lima foi fundada em 1534 pelos colonizadores espanhóis, mas sua história é bem mais antiga. A região onde foi estabelecida a capital do Peru é tida como um centro religioso de muitos povos. E eles deixaram vestígios, como as huacas. Um monumento impressionante, construído com uma espécie de tijolo cru. São milhares de peças. Assim, lado a lado, parecem um exército.
Na capital do Peru existem 200 huacas como a huaca Pucllana. Há um século eram 400. Apesar disso, ainda chama a atenção verificar como estas estruturas foram preservadas no meio de toda a cidade. As pilastras para manter de pé o prédio em construção e a firmeza de uma obra com séculos de existência são um contraste. O antigo e o novo, passado e futuro, separados por poucos metros. Esta famosa huaca fica no coração do bairro de Miraflores, um dos mais nobres de Lima.


 





Segundo estudiosos, o lugar foi usado por quase mil anos, até o século 8. Pertenceu aos povos lima e depois aos wari. Parte do tempo, cerca de quatro séculos, a huaca Pucllana serviu de templo. Depois, foi cemitério. Exemplos de tumbas de diferentes povos podem ser vistas no local. Em comum, a crença de que a vida continua após a morte. Os bonecos simulam um ritual feito com alimentos e animais encontrados na região, como sapos.
Na cultura andina, huaca se refere a uma divindidade ou ao lugar onde ela é cultuada. Em quechua, a outra língual oficial do Peru, além do espanhol, a palavra significa sagrado. Embora tenha um formato escalonado parecido ao das tradicionais pirâmides pré-colombianas, a huaca Pucllana tem várias divisões, como um vilarejo. Os troncos indicam que esta área pode ter sido uma praça, usada em rituais. Muitas paredes são altas, impedindo a visão do outro lado. Outras são mais baixas, como cercas.
A estrutura parece ter um único tom, de areia, mas um olhar mais atento permite ver que algumas peças preservam uma cor amarela. Um sinal de decoração. Com o passar do tempo, as huacas foram cobertas e desapareceram. Muitas ainda estão escondidas dentro do que parece ser apenas montes de areia, como em um dos lados da huaca Pucllana.




* Texto originalmente feito para o programa "Matéria de Capa" (TV Cultura, dom., 19h30)

Nenhum comentário: