O Museu Alemão da Tecnologia

Li algum tempo atrás uma reportagem que tratava do abandono do patrimônio ferroviário brasileiro em um dos seus centros mais importantes: a vila de Paranapiacaba, em São Paulo. Mais recentemente, um retrato do mesmo abandono em cidades do interior paulista.
É triste ver que o Brasil não preserva a sua memória – e, consequentemente, a sua história. Em países desenvolvidos, como na Europa, não é assim. Em Berlim, na Alemanha, por exemplo, existe um museu que traça um interessante retrato do desenvolvimento tecnológico humano. É o Museu Alemão da Tecnologia (Deutsches Technikmuseum). Por meio de exemplares de diversas invenções, das mais simples às mais complexas, ele mostra como o ser humano usou o conhecimento para tornar a vida mais confortável e fácil ao longo dos séculos.


Para quem gosta de meios de locomoção, sejam bicicletas, trens, carros, barcos ou aviões, o museu é um prato cheio. Seu acervo é tão grande que as poucas horas que reservei para conhecê-lo não foram suficientes para ver tudo com a tranquilidade necessária.
Logo na entrada é possível apreciar antigas bicicletas, feitas em madeira. Compará-las aos modelos esportivos existentes hoje chega a despertar risos. Desde os primórdios, porém, o princípio é o mesmo: uma peça que liga duas rodas e é movida pela força de quem é transportado. Tem desde aqueles modelos em que uma roda era bem grande e a outra pequenina até os mais semelhantes aos atuais.




  
Uma das áreas mais interessantes é a dos trens. Enquanto no Brasil antigas e históricas composições apodrecem deixadas ao sabor dos ventos, lá locomotivas e vagões estão expostos e podem ser visitados por dentro, por fora e até por baixo – basta descer alguns degraus até o corredor aberto no chão, como os que existem naquela área dos postos de combustível onde os veículos são erguidos. Há mais de uma dezena de trens, de todos os tempos e tipos.


 

 

 
  
Aliás, a localização do museu ajuda a contar esta parte da história, já que ele fica na área onde existia uma antiga estação de trem de carga, na junção das estradas de ferro. O local abrigava ainda dois depósitos e uma fábrica.
Aviões comerciais e de guerra também estão no museu, ajudando a contar não só parte da história da aviação como também da humanidade. É só olhar os bombardeiros nazistas usados na Segunda Guerra Mundial, na qual a Alemanha foi derrotada pelas forças Aliadas, lideradas por Estados Unidos, Inglaterra e França.








 

Há ainda um setor todo dedicado a embarcações de vários tamanhos. Além do transporte, o museu mostra a evolução das tecnologias de comunicação, produção (como a área de ferramentaria) e energia. Enfim, um mundo vasto de peças e de conhecimento que certamente vai agradar crianças e adultos.
Embora tenha vários painéis interativos, o Deutsches Technikmuseum chama a atenção mesmo pelo seu acervo – o que é um grande mérito, já que normalmente antiguidades costumam ser descartadas como velharias (até porque, como mostra a Alemanha, as velharias poderiam estar atraindo visitantes, gerando renda e principalmente ensinando as novas gerações).
Inaugurado em 1983, o museu – com 26 mil metros quadrados – é um dos maiores da Europa no gênero. Mesmo assim, costuma passar ao largo dos roteiros por Berlim, mas vale a visita. Eu mesmo só o descobri por acaso. Claro, ele não está na lista das principais atrações berlinenses (ainda mais num lugar que protagonizou a história do Ocidente na última metade do século 20), mas qualquer visita à cidade superior a dois dias pode ter nesse lugar um bom atrativo.

Nenhum comentário: