NY & Las Vegas

Duas homenagens apaixonadas - e apaixonantes - para Nova York pelo fotógrafo do Casaquistão, Pavel Tenyakov, e pelos fotógrafos e cinegrafistas do coletivo "NY on Air" (que, de quebra, trazem um pouco da eletrizante Las Vegas):





Em tempo: já registrei aqui que não costumo postar material de terceiros neste blog, que tem caráter marcadamente pessoal (a ideia é trazer crônicas, relatos e lembranças das minhas viagens). Abri exceção para estes vídeos porque eles - e as cidades - merecem!

Um símbolo da nova Alemanha

Desde que o Estado moderno nasceu (ou foi inventado), instituições são essenciais para reforçar a unidade e o caráter democrático de uma sociedade. São elas, afinal, que simbolizam e formalizam a existência do Estado. Neste sentido, poucos lugares representam tão bem a nova Alemanha surgida após a reunificação do que o Reichstag - a sede do Parlamento (Bundestag).
O prédio merece destaque tanto por seu valor político e histórico quanto pelo que representa do ponto de vista arquitetônico, a união harmônica, visionária e perfeita entre tradição e modernidade, representadas pelos traços clássicos e a cúpula translúcida futurista.


 


Inaugurado em 5 de dezembro de 1894 após dez anos de obras, o Reichstag – assinado pelo arquiteto Paul Wallot – fica a poucos metros do famoso Portão de Brandemburgo. Uma das antigas portas da cidade, foi reconstruído no final do século 18 e virou símbolo da reunificação alemã, já que foi cenário da festa pós-derrubada do Muro de Berlim. Ambos formam, a uma curta distância, um conjunto especial do “novo” país surgido após décadas de separação provocada pela Guerra Fria.




A primeira sessão do Bundestag da Alemanha unida no Reichstag foi em 4 de outubro de 1990. Meses depois, em 20 de junho de 1991, o Parlamento decidiu em Bonn (capital da então Alemanha Ocidental), por 338 votos a favor e 320 contra (o que indica não ter sido uma decisão fácil), transferir sua sede para o Reichstag na eterna capital de todos os alemães, Berlim. A remodelação do edifício ficou a cargo do arquiteto Norman Foster e foi oficialmente entregue em 19 de abril de 1999.
O Bundestag é o único órgão do Estado cujos membros são eleitos diretamente pelo povo para mandatos de quatro anos. (O chefe de governo, chamado de chanceler, é escolhido de modo indireto pelos 620 parlamentares; já os 69 membros do Bundesrat, o Conselho Federal formado por representantes dos 16 estados, são escolhidos pelos governos estaduais e muitas vezes são os próprios governadores.)
O Parlamento é o único órgão com poder de criar leis, válidas para todo o país. Ele funciona como o Congresso brasileiro: as propostas passam por vários grupos antes de serem votadas em plenário - eram 22 comissões permanentes na 17ª legislatura. Também é responsabilidade dos deputados participar da escolha do presidente (chefe de Estado), escolher metade dos magistrados da Corte Federal, presidente e vice do Tribunal Federal de Contas, além de fiscalizar o governo. Dos eleitos em 2009 para a 17ª legislatura, mais de 20% eram juristas.
Para os três milhões de turistas que, segundo o Bundestag, visitam sua sede todos os anos, a cúpula é a atração mais reluzente – em todos os sentidos. Com 40 metros de diâmetro, oferece uma vista panorâmica da capital a 47 metros de altura. De lá é possível ver, por exemplo, a estação Friedrichstrasse (aberta em 1882, serviu como ligação entre os lados ocidental e oriental da cidade entre 1961 e 90 – na foto, é o prédio na segunda ponte que cruza o rio Spree), o Carillon (quarta maior torre de sinos do mundo, erguida em 1987 no aniversário de 750 anos de Berlim), a Casa da Cultura Mundial (de 1957, um presente do governo norte-americano, é também conhecida como “ostra grávida” em razão de seu formato) e a Filarmonic Hall, casa da renomada Orquestra Filarmônica de Berlim.
Ao lado do prédio principal ficam os edifícios complementares, como o Paul Löbe, onde funcionam os comitês do Congresso. Ali também fica a Chancelaria Federal, algo como o Palácio do Planalto, onde trabalha o chanceler.






E não é só a vista que merece atenção. A própria estrutura da cúpula é uma atração. Em seu interior destaca-se um equipamento conhecido como trompa em razão do seu formato. Ele é coberto por 360 espelhos que permitem projetar luz natural até o salão nobre. Possui um sistema que aproveita o calor para calefação. No telhado, 300 metros de painéis solares garantem 50% da energia do prédio. Provas de que a modernidade da cúpula – e, por consequência, do prédio - não se restringe ao estilo. Mostra de que o Reichstag é um bom resumo da sociedade alemã.

 
 
   

Em tempo: a sede do Bundesrat é bem mais modesta, embora também bonita. Fica na antiga “Câmara dos Senhores Prussianos”, em Berlim.